LÍDER COMUNITÁRIO É EXECUTADO A TIROS NO RJ

 



Um líder comunitário foi morto a tiros na noite de quarta-feira (17/01) em um restaurante no bairro Freguesia, no Rio de Janeiro. Marlon Schuengue da Silva, de 30 anos, conhecido como "Marlon Alemão", foi assassinado dentro da área de serviço de um restaurante japonês. O incidente ocorreu na Rua Xingú, por volta das 23h45.


Imagens de segurança mostram um homem correndo atrás de Marlon. O líder comunitário do bairro Gardênia Azul estava saindo quando o suspeito abriu fogo na entrada do estabelecimento.


Marlon tentou se abrigar dentro do restaurante, mas foi perseguido. Em seguida, o suspeito atirou na cabeça da vítima, que caiu no chão conforme visto nas imagens. Uma cliente também foi atingida de raspão por um dos disparos.


O atirador ainda não foi identificado. A polícia civil do Rio de Janeiro está investigando a motivação do crime e a autoria. A área foi isolada pela polícia militar.


Marlon era assessor de Marcello Siciliano, ex-vereador investigado por suposto envolvimento na morte da vereadora Marielle Franco em 2018. O ex-político também foi acusado de ter ligações com um grupo de milicianos na região oeste do Rio de Janeiro. Siciliano negou as acusações.


Marlon era presidente da Associação Gardênia Azul e possuía mais de 60 mil seguidores nas redes sociais. Ele era bastante conhecido por seus projetos sociais na comunidade. Em uma de suas últimas publicações, ele divulgou a situação dos moradores após as recentes chuvas no Rio de Janeiro.



5 comentários:

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do Blog ou que contenham palavras ofensivas.

Atenção! Comentários relacionados a políticas, perfis com nomes de políticos ou nomes escrotos não serão aceitos.

Tecnologia do Blogger.