SOLDADO FEMININO É EXECUTADA E TEM CORPO MUTILADO POR GRUPO DO AZERBAIJÃO

 






Google Tradutor...



Grupo armado do Azerbaijão cercado pelas forças armênias em Jermuk


Detalhes das atrocidades cometidas pelas forças do Azerbaijão durante seu ataque à Armênia nesta semana foram apresentados ao corpo diplomático estrangeiro da Armênia, que se reuniu com o chefe do Estado-Maior do Exército Edward Asryan na sexta-feira em Jermuk, local de alguns dos bombardeios mais pesados.


Entre os exemplos que Asryan contou foi a mutilação brutal de uma soldado armênia que foi capturada pelas forças do Azerbaijão. O chefe do Exército disse que mostraria um vídeo do ataque aos diplomatas.


“Eles cometeram atrocidades em nossas posições de combate contra nossos militares, incluindo mulheres soldados”, disse Asryan. “Não consigo encontrar palavras para descrever como eles desmembraram uma soldado, cortaram suas pernas, dedos e a despiram. Isso é uma crueldade inédita.”


Um vídeo gráfico que descreve o ataque que Asryan descreveu está circulando nas mídias sociais na sexta-feira. Asbarez revisou o vídeo, mas não o publicará devido à sua natureza gráfica e ao fato de sua autenticidade não poder ser comprovada.





O soldado foi identificado como Anush Apetyan, 36, mãe de três filhos, teria sido capturado vivo em Jermuk e depois estuprado, torturado e desmembrado por soldados do Azerbaijão. Eles colocaram os dedos decepados em sua boca e arrancaram seu olho.


Asryan disse aos diplomatas que nenhuma força militar, unidade ou soldado de qualquer país tem o direito de cometer tais atrocidades. Ele chamou isso de uma violação grosseira do direito internacional humanitário, acusando o Azerbaijão de cometer crimes de guerra.


Ele assegurou que as Forças Armadas da Armênia continuarão tomando todas as medidas para garantir a segurança militar da pátria.


Durante o briefing, o chefe do Estado-Maior do Exército disse que as imagens de vigilância indicavam que o grupo militar do Azerbaijão de 50 a 60 homens recuou da parte norte de Jermuk, na província de Vayots Dzor.


Ele disse que agora apenas uma equipe militar do Azerbaijão permanece em Jermuk, a 4,5 quilômetros da cidade em uma colina, acrescentando que eles foram cercados pelas Forças Armadas Armênias.


“Eles não conseguiram chegar aos arredores de Jermuk com suas outras unidades. Apenas um grupo está no morro. E em termos de sobrevivência, se esse grupo adversário não conseguir alimentos ou água, eles terão que esgotar seus recursos em poucos dias e terão que sair. O grupo está cercado por nossos destacamentos”, disse Asryan aos diplomatas.


Ele disse que a situação tática na área é estável, e afirmou que o grupo eventualmente irá se retirar.


“Não haverá movimento de veículos em nosso território. Não há nenhum agora. Eles não podem trazer comida ou água e, ao perder seus suprimentos, esse grupo recuará e se juntará aos seus principais destacamentos, que estão mais distantes dos arredores de Jermuk”, disse ele.


Asryan explicou que desde o início do ataque do Azerbaijão, pouco depois da meia-noite de terça-feira, as Forças Armadas Armênias começaram suas contramedidas. No entanto, devido ao que chamou de “superioridade das unidades inimigas”, várias posições de combate foram perdidas. Essas áreas, disse ele, serviram como base para que as forças do Azerbaijão pudessem se infiltrar profundamente na área de defesa da Armênia com centenas de forças.


Ele disse que durante as quase 48 horas de combate, as forças do Azerbaijão conseguiram avançar de 11 a 12 quilômetros (6 a 7 milhas) no território soberano da Armênia. Asryan disse aos diplomatas que a área não encolheu para 4,5 quilômetros (2,7 milhas), sinalizando que as forças armênias foram capazes de recuperar essas áreas.


Membros do corpo diplomático estrangeiro da Armênia visitaram Jermuk e visitaram algumas das áreas onde os combates mais pesados ​​ocorreram. Eles puderam ver em primeira mão a extensão dos danos causados ​​às estruturas civis e municipais.


Os embaixadores dos EUA, Reino Unido, França, Itália, UE, China, Argentina e Holanda estavam entre o grupo de enviados que incluía adidos militares de outras embaixadas estrangeiras.













17 comentários:

  1. E tem brs que sairam daqui pra buscar adrenalina nessa guerra. Quer adrenalina? Faça igual o peito de frango, dê para um travesti na sala de casa kkkkk
    Nem fudendo que eu iria pra uma guerra.

    ResponderExcluir
  2. Triste, porém se tivesse ficado em casa lavando a louça isso não teria acontecido 🤷🏻

    ResponderExcluir
  3. Caramba destruiu a mulher inteira a coisa tá preta mesmo

    ResponderExcluir
  4. Estou orgulhoso dessa Deusa...

    ResponderExcluir
  5. Tipo de islâmicos, são animais não a luga onde o islã viva q a paz, a tortura contra mulher é uma forte insistência dessa religião maldita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Azerbaijão é um país mais laico do que o bostil

      2- soldados russos cristãos fazem pior

      3 você é burro

      Excluir
    2. Dps de ler esse comentário só consigo pensar que se fosse um soldado você nem teria clicado nesse vídeo

      Excluir
  6. Pelo menos morreu como homem, digo mulher 😕

    ResponderExcluir
  7. Olhou,Fatio, se lascou zero meia 🤦

    ResponderExcluir

Atenção! Deixe um comentário nas postagens, as quais os vídeos não estão abrindo para refazer o upload.

Tecnologia do Blogger.