JOVEM É LINCHADO ATÉ A MORTE POR SUPOSTA BLASFÊMIA CONTRA O PROFETA MUHAMMAD

 

A falecida, identificada como Deborah Yakubu, foi acusada de fazer comentários pouco lisonjeiros sobre o profeta Muhammad no campus.




Google Tradutor 




 Alguns alunos do Shehu Shagari College of Education, Sokoto, na quinta-feira, lincharam uma aluna de nível 200 do Departamento de Educação Infantil, Deborah Emmanuel, por uma alegação de blasfêmia contra Muhammed, um profeta do Islã.


 O falecida foi apedrejada violentamente até a morte e depois incendiada pela multidão enfurecida, que são em sua maioria estudantes da faculdade.


 As autoridades da faculdade anunciaram imediatamente o fechamento da escola e ordenaram que os alunos deixassem o campus.


 O Governo do Estado de Sokoto também prometeu investigar o assunto e prometeu que os autores seriam levados à justiça.


 O governo disse que ordenou o fechamento imediato da instituição.




Suposta ofensa


 A falecida, cujos detalhes ainda eram incompletos no momento da apresentação deste relatório, foi vista em um vídeo que se tornou viral nas mídias sociais sendo violentamente atacada até que ela desmaiou e foi incendiada.


 Ela teria feito “comentários depreciativos” contra o profeta em uma plataforma do WhatsApp.


 Como isso aconteceu


 Uma aluna da faculdade identificada apenas pelo primeiro nome, Jamila, narrou ao PREMIUM TIMES como o incidente começou na quarta-feira.


 Ela disse que tudo começou quando alguém enviou uma mensagem de transmissão para um grupo de WhatsApp dos alunos, ao qual Deborah, a aluna assassinada, pertencia.


 “Foi esse tipo de mensagem que pedirá que você compartilhe com outros grupos se não quiser que o mal aconteça com você”, disse Jamila.


 Mas a já falecida Débora reclamou que tais mensagens não deveriam ser enviadas para um grupo de WhatsApp criado para o compartilhamento de informações importantes sobre provas e trabalhos.


 “Envie-nos informações importantes. Este grupo não foi criado para você enviar informações inúteis. Ele foi criado para você enviar perguntas passadas caso haja uma prova ou uma tarefa. Não é para você enviar informações inúteis. Qual profeta?”, a falecida Débora teria afirmado isso em uma nota de voz que compartilhou no grupo do WhatsApp.


Jamila disse que, embora mais tarde tenha apagado a nota de voz, outros membros do grupo a compartilharam entre seus amigos na escola. Isso acabou provocando tensão entre os alunos no campus.


 A PREMIUM TIMES soube que, quando os alunos tentaram assediar Deborah, os seguranças da escola vieram em seu socorro. Eles informaram a polícia quando a situação começou a ficar fora de controle.


 Mas um morador de Bado, a comunidade anfitriã da faculdade, Ibrahim, disse que a polícia não conseguiu resgatar Deborah porque a multidão continuava jogando pedras e objetos na polícia e no abrigo onde ela estava mantida.


 O abrigo, que originalmente era uma cela onde os seguranças da escola trancavam os ladrões pegos no campus, também foi incendiado pela multidão.


 Governo reage


 Falando na quinta-feira sobre o assunto, o comissário de informação, Isa Galadanchi, descreveu o incidente como lamentável.


 Ele disse que o governador do estado, Aminu Tambuwal, “orientou o Ministério do Ensino Superior e outras autoridades relevantes a iniciar investigações sobre as causas remotas e imediatas do incidente e relatar ao governo”.


 “Enquanto isso, o governador Aminu Waziri Tambuwal pediu ao povo do estado que permaneça calmo e mantenha a paz, pois o governo tomaria as medidas apropriadas sobre as conclusões das investigações da autoridade competente”.


 Kukah, Kadaria reagem


 Enquanto isso, o bispo da diocese de Sokoto, Matthew Kukah, condenou o assassinato e pediu às autoridades que investiguem a tragédia e garantam que os culpados sejam levados ao livro.


 Isso como muitos nigerianos também usaram as mídias sociais para condenar o desenvolvimento, descrevendo-o como bárbaro e sangrento.


 Uma renomada jornalista e proprietária da Radio Now em Lagos, Kadaria Ahmed, usou seu Twitter para desabafar sua raiva contra os autores do ato.


 Kukah, em um comunicado divulgado sobre o assunto na quinta-feira, observou a coexistência pacífica de muçulmanos e cristãos em Sokoto ao longo dos anos. Ele disse que a conduta da multidão foi um ato de criminalidade e que deve ser tratado como tal.


 A declaração do clérigo dizia em parte: “A única obrigação que tem para com sua família imediata, seus colegas e as autoridades escolares é a garantia de que aqueles que são culpados desse ato desumano, não importa sua motivação, sejam punidos de acordo com o leis da nossa terra.


 “Isso não tem nada a ver com religião. Os cristãos viveram pacificamente com seus vizinhos muçulmanos aqui em Sokoto ao longo dos anos. Este assunto deve ser tratado como um ato criminoso e a lei deve tomar sua causa.”


 Ele também pediu aos cristãos em Sokoto e na Nigéria que permaneçam calmos e “rezem pelo repouso da alma da Sra. Deborah; é a primeira obrigação que devemos a ela.”


 “Estamos nos tornando um povo sem Deus”


 A senhora Ahmed em seu tweet na quinta-feira disse que não é suficiente que as autoridades escolares simplesmente fechem a escola. Ela exigiu mais detalhes e justiça.


 Ela escreveu: “Acabei de ver um vídeo angustiante de uma multidão matando uma garota em uma faculdade de educação em Sokoto. O aviso abaixo fechando a escola não dá detalhes. Perdemos totalmente o nosso caminho (e) estamos de fato rapidamente nos tornando um povo sem Deus, apesar de fingir o contrário. Estou com raiva.














28 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. O islão é a seita mais maligna ja inventada, e pior que essa aberração que é equiparável a nazismo tem de ser socialmente aceita, se não é intolerância.

    ResponderExcluir
  3. Tadinha da mina

    ResponderExcluir
  4. massa de manobra kkkk

    ResponderExcluir
  5. Eeeel Primooooomaio 12, 2022

    Sei q nn dá pra generalizar, mas esses islâmicos são uns intolerantes da poha hein

    ResponderExcluir
  6. Não sei porquê o energúmeno grita várias vezes: "A LÁ O ROQUE NO BAR!".

    ResponderExcluir
  7. Gente maldita,fanatismo

    ResponderExcluir
  8. Fanatismo religioso é algo extremamente fudido em países perdidos. A 1⁰ foto é um homem?

    ResponderExcluir
  9. SEGUNDO A MÍDIA ESQUERDISTA, ESSA É A RELIGIÃO DA PAZ... SÓ SE FOR DA JULIANA PAEZ

    ResponderExcluir
  10. Se isso virar moda o pai aqui vai ter q fazer hora extra 😎.....

    ResponderExcluir
  11. Pra que essa mulher vai abrir a boca era só meter o pé sair desse lixo ir Pra Colômbia sla asasauhsuahsauha bixa burra... ela fala logo no covil de cobras...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tu não percebeu a minha voz diminuindo o volume e, agora, o silêncio diz que eu já fui.

      Excluir
    2. A gora eu vou te seguir e te coletar, só pra mim virar um filósofo com senso de humor 😁

      Excluir
  12. Rexpeito é Bom e Quem Num Goxta?!

    ResponderExcluir
  13. A cada dia gosto mais dos meus gatos, tá louco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cada dia que passa gosto mais dos meus animais Também

      Excluir
  14. Por isso esse povo é atrasado ... isso é uma faculdade ?

    ResponderExcluir
  15. Por esse e outros motivos que eu não tenho religião, tem pessoas que são muito fanáticas nisso. E é cada coisa ruim que a humanidade já fez por conta de crenças... Só acredito que Deus é uma forma de acreditar ou buscar esperança na vida, cada um tem o seu na mente e é isso. Respeito quem ainda tem fé nesse mundo, porque tá foda.

    ResponderExcluir
  16. Não ficou claro o que ela falou pra merecer isso. Mas esse povo não respeita as mulheres matam por matar e é assim no geral a mulher sempre sofre por ser mulher.

    ResponderExcluir
  17. Animais, se acontecer uma crise no país deles, eles não entram em nenhum outro país

    ResponderExcluir

Comentários anônimos não serão aceitos.
Coloquem um nome antes de comentar.

Tecnologia do Blogger.