{CLASSIC GORE} MASSACRE DE ELDORADO DO CARAJÁS

 

Assassinato de dezenove sem-terra que ocorreu em 17 de abril de 1996 no município de Eldorado do Carajás, no sul do Pará, Brasil.




O Massacre de Eldorado do Carajás foi o assassinato de dezenove sem-terra que ocorreu em 17 de abril de 1996 no município de Eldorado do Carajás, no sul do Pará, Brasil decorrente da ação da polícia do estado do Pará.



O comando da operação estava a cargo do coronel Mário Colares Pantoja, que foi afastado, no mesmo dia, ficando 30 dias em prisão domiciliar, determinada pelo governador do Estado, e depois liberado. Ele perdeu o comando do Batalhão de Marabá. O ministro da Agricultura, Andrade Vieira, encarregado da reforma agrária, pediu demissão na mesma noite, sendo substituído, dias depois, pelo senador Arlindo Porto.



 O Massacre 

Dezenove sem-terra foram mortos pela Polícia Militar do Estado do Pará. O acampamento próximo à fazenda Macaxeira surgiu em setembro de 1995. No dia 5 de novembro daquele ano, a fazenda foi ocupada. Em 10 de abril de 1996, cerca de 2 500 sem-terra que estavam acampados na região, junto de outros manifestantes do MST, totalizando 4.221 pessoas, começaram uma marcha de quase 900 km até a capital Belém em protesto contra a demora da desapropriação de terras, principalmente dos 40 mil hectares da Fazenda Macaxeira, que consideravam ociosos. A Polícia Militar foi encarregada de tirá-los do local, porque estariam obstruindo a rodovia BR-155, que liga a capital do estado Belém ao sul do estado.


Investigações e conclusões 

O episódio aconteceu durante o governo de Almir Gabriel. A ordem para a ação policial partiu do Secretário de Segurança do Pará, Paulo Sette Câmara, que declarou, depois do ocorrido, que autorizara "usar a força necessária, inclusive atirar". De acordo com os sem-terra ouvidos pela imprensa na época, os policiais chegaram ao local lançando bombas de gás lacrimogêneo.


Segundo o legista Nelson Massini, que fez a perícia dos corpos, pelo menos dez vítimas foram executadas à queima-roupa. Sete lavradores foram mortos por instrumentos cortantes como foices e facões.


Os 155 policiais militares que participaram da operação foram indiciados sob acusação de homicídio pelo Inquérito Policial Militar (IPM). Esta decisão foi tomada premeditadamente, pois pela lei penal brasileira, não há como punir um grupo, já que a conduta precisa ser individualizada.


Como não houve perícia nas armas e projéteis para determinar quais policiais atingiram as vítimas, os 21 homicídios e as diversas lesões permaneceram impunes. Em outubro do mesmo ano, o Procurador-Geral da República, Geraldo Brindeiro, determinou que a Polícia Federal reconstituísse o inquérito por estar repleto de imperfeições técnicas. Neste parecer, Brindeiro afirmou ainda que o governador Almir Gabriel autorizou a desobstrução da estrada e que, portanto, tinha conhecimento da operação. No final do ano, o processo, que havia sido desdobrado em dois volumes, ainda estava parado no Tribunal de Justiça de Belém, que trata dos crimes de lesões corporais, e no Fórum de Curionópolis, que ficou encarregado dos homicídios.


Em maio de 2012, o coronel Mário Colares Pantoja e o major José Maria Pereira de Oliveira foram presos, condenados, o primeiro a 228 anos e o segundo a 158 anos de reclusão, pelo massacre.


Participação de fazendeiros 

No começo de maio de 1996, o fazendeiro Ricardo Marcondes de Oliveira, de 30 anos, depôs, responsabilizando o dono da fazenda Macaxeira pelas mortes. Ele o acusou de ter pago propina para que a Polícia Militar matasse os líderes dos sem-terra. Ele mesmo teria sido procurado para contribuir na coleta. O dinheiro seria entregue ao coronel Mário Pantoja, comandante da PM de Marabá, que esteve à frente da operação que resultou no massacre. Nenhum fazendeiro ou jagunço foi indiciado no inquérito da Policia.


Reação das autoridades federais 

Uma semana depois do massacre, o Governo Federal confirmou a criação do Ministério da Reforma Agrária e indicou o então presidente do Ibama, Raul Jungmann, para o cargo de ministro. José Gregori, que na época era chefe de gabinete do então ministro da Justiça, Nelson Jobim, declarou que "o réu desse crime é a polícia, que teve um comandante que agiu de forma inadequada, de uma maneira que jamais poderia ter agido", ao avaliar o vídeo do confronto.


O então presidente Fernando Henrique Cardoso determinou que tropas do exército fossem deslocadas para a região em 19 de abril com o objetivo de conter a escalada de violência. O presidente pediu a prisão imediata dos responsáveis pelo massacre.


O ministro da Justiça, Nelson Jobim, juntou-se às autoridades policiais e do Judiciário, no Pará, a pedido do governo federal, para acompanhar as investigações. O general Alberto Cardoso, ministro-chefe da Casa Militar da Presidência da República, foi o primeiro representante do governo a chegar a Eldorado do Carajás.


As terras desapropriadas da fazenda Macaxeira foram entregues em abril de 1997 e ali formou-se o Assentamento 17 de Abril.


Em 2018, durante campanha, o deputado federal e pré-candidato à Presidência da República, Jair Bolsonaro, defendeu os policiais que participaram do Massacre de Eldorado dos Carajás no exato local dos 19 assassinatos. "Quem tinha que estar preso era o pessoal do MST, gente canalha e vagabunda. Os policiais reagiram para não morrer", disse Bolsonaro.



Fonte: Wikipédia 



Vídeo Completo e sem censura...












28 comentários:

  1. Tem q passa fogo nessa cambada msm

    ResponderExcluir
  2. ADM mandei meu número por e-mail pra entrar no grupo se puder dá uma olhada no email

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tu vai rodar é na pica filha da puta

      Excluir
    2. Tem uma aba GIGANTE na parte de baixo do site escrito "LINK DO WHATSAPP" seu cavalo kkkkkk

      Excluir
  3. Kkkkkkkk cambada de vagabundos , n trabalha pra comprar uma terra e quer tomar a dos outros ...

    ResponderExcluir
  4. Nossa quanto balão estorado no chão todo mucho... damn son...

    https://youtu.be/7VGS1biCJDE?t=113

    ResponderExcluir
  5. 1996 um bom ano pra mim, lembro bem desse massacre.

    ResponderExcluir
  6. postagem tendo como fonte a wikipedia logo esta controlada por esquerdistas e comuninstas ta de sacanagem, os sem terra massa de manobra dos comunistas cairam no golpe que ganhariam terra facil o massacre aconteceu, todos errados, os em terra que invadiram, os fazendeiros porque mandaram matar e os policiais que atiraram, resumo da opera vidas perdidas inutilmente

    ResponderExcluir
  7. Bando de lixos roubando terra dos outros era pra matar mais. Porém a lei do Brasil favorece roubo e sem-vergonhice

    ResponderExcluir
  8. 🗣NÃO Deicharam o peito de aço plantar meu mini pau brasil nas terras queimadas dele.💪🏼😂😵🔫👹😵🔫👿😵🔫👹😵🔫😈😵🔫👺😵🔫👹😵🔫👿😵🔫😈😵🔫👺😵🔫👿😵🔫👹😵🔫👹😵🔫😈😵🔫👹

    ResponderExcluir
  9. Boa ademiro. Mandou um clássico. Não vou ter que usar calcinha e comer sapo de macumba🙌

    ResponderExcluir
  10. Boa ademiro. Mandou um clássico. Não vou ter que usar calcinha e comer sapo de macumba🙌

    ResponderExcluir
  11. Tá achando ruim vai pedir terra em Cuba kkkkkkkk pede terra na VEnezuela que tá perto bando de comunista pé de chinelo

    ResponderExcluir
  12. Bando de vagabundos, ladrão de terra isdo sim

    ResponderExcluir
  13. Isso é um filme dos bons kkkkk

    ResponderExcluir
  14. Terras de traficantes essa massa de manobra não invade, empunhando aquelas bandeirolas vermelhas, foices e facões.

    ResponderExcluir
  15. Reviro o bau de quanto rede de tv pra achar essa relíquia

    ResponderExcluir
  16. Paulim pim pim vou apagar o fogo da tua mãe no meu pau seu arrombado, côrno cuscuz.

    ResponderExcluir
  17. Vejam a cabeça desse trabalhador, maluco invadindo terra e é "trabalhador" esquizofrenia do krl

    ResponderExcluir

ATENÇÃO!

ATIVE OS COOKIES DO SEU NAVEGADOR PARA PODER COMENTAR NO SITE.

Comentários anônimos não serão aceitos.
Coloquem um nome antes de comentar.

Tecnologia do Blogger.