CONGOLÊS É ESPANCANDO ATÉ A MORTE AO COBRAR PAGAMENTO ATRASADO

 

Moïse trabalhava por diárias no local servindo mesas na areia e, segundo parentes, pretendia tentar cobrar dois dias de pagamentos atrasados na segunda-feira em que acabou em que foi morto



O congolês Moïse Mugenyi Kabagambe, de 24 anos, foi morto na segunda-feira, 24, próximo a um quiosque na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Moïse trabalhava por diárias no local servindo mesas na areia e, segundo parentes, pretendia tentar cobrar dois dias de pagamentos atrasados na segunda-feira em que foi morto.


O congolês chegou a ter pés e mãos amarrados com um fio depois de sofrer uma sequência de agressões. O rapaz foi encontrado por policiais ainda preso, deitado ao chão já sem vida, em uma escada do estabelecimento.


O proprietário do quiosque Tropicália, situado no posto 8 da Praia da Barra, já foi intimado pela Polícia Civil, mas ainda não prestou depoimento. A expectativa é que ele compareça nesta terça-feira à Delegacia de Homicídios da Capital, responsável pelo inquérito. De acordo com os investigadores, o comerciante, que não teve a identidade revelada, cedeu espontaneamente imagens das câmeras de segurança do estabelecimento.


“As investigações estão em andamento na Delegacia de Homicídios da Capital (DHC). Os agentes analisaram imagens de câmeras de segurança e estão, neste momento, em diligências para identificar e prender os autores do crime”, informou a Polícia Civil.


O vídeo, que está sendo analisado pela polícia, mostra pelo menos cinco pessoas participando das agressões contra Moïse. Até o momento, nenhum dos homens foi formalmente identificado. A DH já ouviu oito testemunhas, entre parentes do rapaz e frequentadores do local. Ninguém foi preso até agora. De acordo com o delegado Leandro Costa, responsável pela investigação do caso, "as imagens são nítidas". No entanto, ele não passou detalhes do caso. A DHC enviou um ofício à embaixada da República Democrática do Congo em que afirma estar investigando a morte do rapaz com rigor.


Primo de Moïse, o autônomo Yannick Iluanga Kamanda, de 33 anos, conta ter visto as imagens. Segundo ele, o congolês foi atingido por socos, chutes e golpes com pedaços de madeira. O espancamento, que teria durado cerca de 15 minutos, continuou mesmo depois que a vítima ficou desacordada. Os parentes só descobriram a morte na manhã de terça-feira, 25, quase 12 horas após o crime.


"Primeiro, meu primo é visto reclamando, porque ele queria receber. Em determinado momento, os ânimos se acirraram, e um dos homens pega um pedaço de madeira. O meu primo corre para se defender com uma cadeira. Esse homem vai embora e, em seguida, volta com cinco pessoas, que pegam o meu primo na covardia. Um rapaz dá um mata-leão (golpe no pescoço), e os outros se revezam em bater", relata Yannick.


De acordo com o relato do primo, o dia de trabalho no quiosque continuou, mesmo com a morte de Moïse. "Eles foram embora e ficou só o gerente do quiosque. E ele deitado no chão, como se nada estivesse acontecendo. Trabalhando, atendendo cliente. E o corpo lá”, afirmou.


Dois policiais militares do 31º BPM (Recreio), que atenderam à ocorrência contaram em depoimento na DHC, que testemunhas relataram "que dois homens perseguiram a vítima que fugia correndo pela areia, quando na subida do quiosque Tropicália, o mesmo foi alcançado, onde apanhou com um porrete, e a vítima gritava, pedindo para não o matarem".


A perícia no corpo indicou que Moïse tinha várias "áreas hemorrágicas de contusão" e também vestígios de broncoaspiração de sangue. O atestado de óbito traz como causa da morte traumatismo do tórax, com contusão pulmonar causada por ação contundente.


O quiosque Tropicália passou o último fim de semana fechado. Já as redes sociais do estabelecimento foram excluídas ou se tornaram restritas desde que o caso veio à tona.


A mãe de Moïse, Ivana Lay, disse durante o enterro do jovem estar inconformada com o crime e que deseja justiça.  “Meu filho cresceu aqui, estudou aqui. Todos os amigos dele são brasileiros. Mas hoje é vergonha. Morreu no Brasil. Quero justiça”, afirmou.


Moise foi sepultado neste domingo, 30, no Cemitério de Irajá, sob protesto de amigos e parentes e com música e dança africana. Moïse fugiu de conflitos armados na República Democrática do Congo e estava no Brasil desde 2014.




Fonte: Exame.com








Funeral do jovem.

















40 comentários:

  1. Oloko cabei de ver no jornal da Record kkk

    ResponderExcluir
  2. Malditos!! Mataram o menor por cobrar o dinheiro que lhe pertence, esse mundo tá uma desgraça!

    ResponderExcluir
  3. Não foi racismo.. quem matou foi negro tbm... pq eles falam que é racismo??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pq o seu viado felodapota, além do Brasil ser u. País racista du caralho, há o racismo de origem que é qdo alguém da etnia de outro país sofre preconceito msm sendo da mesma cor seu arrombado viadinho da o cu

      Excluir
    2. Mas isso é xenofobia né anta

      Excluir
    3. Isso é xenofobia seu verme burro. Mas não discordo que foi racismo

      Excluir
  4. esse país é uma merda mesmo pqp

    ResponderExcluir
  5. 🎶BITCH, BETTER HAVE MY MONEY, DON'T ACT LIKE YOU FORGOT🎶

    ResponderExcluir
  6. "O Brásil é uma mãe que abraça todo mundo" Nunca foi e nem vai ser.. agora esse desenho ai vai dá oque falar botaram logo os Cara da Cuscuz Clã más ali vi neguim batendo em neguim...o Africano tava nervoso abrindo as coisas.. se pá os cara falo q ia pagar depos aquela coisa... más po pq o Africano não chamo a policia sei lá... covardia esses tanto de cabrito em um mlk só

    ResponderExcluir
  7. De 3 todo mundo é machão, mão a mão ninguém vai pra briga.

    ResponderExcluir
  8. Corvadia! que os assassinos paguem com a mesma moeda

    ResponderExcluir
  9. Se fosse com algum dos meus parentes, com certeza eu iria encontrar o assassino e as pessoas que omitiram, visando matar lentamente. O crime no Brasil compensa.

    ResponderExcluir
  10. Se fosse com algum dos meus parentes, com certeza eu iria encontrar o assassino e as pessoas que omitiram, visando matar lentamente. O crime no Brasil compensa.

    ResponderExcluir
  11. Me surpreende tamanha crueldade, pior ainda, vinda de irmãos da mesma cor. Infelizmente no Brasil quem mais mata negros são os próprios negros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tudo isso porquê o nosso país vulgo brasil, nos educa a ser assim, gay é preconceituoso, negro é racista, mulher é machista e deficiente é descriminador e por aí vai...

      Excluir
  12. Covardia. Agora... Por que estão tratando esse crime como xenofobia e racismo? Todos os caras dos vídeos são negros. Nem faz sentido

    ResponderExcluir
  13. Gabriel Monteiro oportunista
    Negros matando outro negro
    Enfim sociedade hipocrita

    ResponderExcluir
  14. A hora ter uma lei pena de morte quero ver mais alguém matar

    ResponderExcluir
  15. é por esse e outros motivos que eu ODEIO a mimimilitancia, na vida real, viado não defende viado, negro não defende negro, mulher não defende mulher, deficiente não defende deficiente e por aí vai...

    ResponderExcluir
  16. Cara, Ele só foi cobrar o salário, Pra q matar? CADÊ A PORRA DA JUSTIÇA? AH... É O BRASIL.

    ResponderExcluir
  17. Cadê as facção? Faz a cobrança dos covardis, né vocês que fala que corre pelo certo

    ResponderExcluir
  18. O que fizeram com esse rapaz foi uma covardia, não tem justificativa e era um trabalhador, que descanse em paz e os vagabundos covardes sejam punidos.

    ResponderExcluir
  19. Como pode tanta gente ruim em tão pouco espaço?? Geral espancando o cara, e nenhum para e pensa "nossa, que krl eu to fazendo?", eu os vejo como um bando de primatas sem estudo, um bando de pés de chinelo ignorantes. Como q deita a cabeça no travesseiro a noite e consegue dormir tranquilo ? Matar o cara por causa de 200 reais vey ?? O que q é 200 reais cara ? Por isso que na primeira oportunidade eu vazo desse país fudido, onde não tem lei e nego faz oq quer.

    ResponderExcluir
  20. Zezuais, issu num si faiz a nenhum afro brazileiro

    ResponderExcluir
  21. Quem matou foram outros negros. Ae vem nego inventar narrativa de racismo..

    ResponderExcluir
  22. Que os 3 sejam torturados até a morte

    ResponderExcluir
  23. Coitado apenas foi cobra oq ele trabalhou fizerão isso com ele, infelizmente e brasil né se eles vão fica preso mesmo e dificil

    ResponderExcluir
  24. Negro sempre matando negro. Negro sempre escravizando negro. Quando isso vai acabar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. negro escravizando negro?

      Excluir
    2. SIM, os negros rycos tratam os negros pobres como empregados, tu não sabia disso?!

      Excluir
  25. Usaram golpe de jiu-jitsu, muita covardia fazer isso, mas não sei o motivo ao certo.

    ResponderExcluir
  26. Puts até aqui esse lixo do Gabriel carniceiro?

    ResponderExcluir
  27. A morte dele me deixou muito triste.

    ResponderExcluir
  28. Se o Pelé é o rei do futebol, quem é o príncipe?

    ResponderExcluir

Comentários anônimos não serão aceitos.
Coloquem um nome antes de comentar.

Tecnologia do Blogger.