EXECUÇÃO DO PRESIDENTE DA LIBÉRIA WILLIAM TOLBERT EM 1980

O julgamento e a execução do presidente da Libéria, William Tolbert, e de seus 13 ministros, em 12 de abril de 1980, foi um dos casos mais brutais e polêmicos já capturados por um fotojornalista.



Em 12 de abril de 1980, Samuel Doe liderou um golpe militar, matando o presidente William R. Tolbert Jr. na Mansão Executiva. Vinte e seis dos partidários de Tolbert também foram mortos nos combates. Logo após o golpe, os ministros do governo foram levados ao público em torno de Monróvia. Eles foram obrigados a ficarem sem roupas, e em seguida foram executados por um pelotão de fuzilamento na beira da praia.

O golpe militar ainda está cercado de mistério. Aparentemente, os preparativos para isso passaram despercebidos, o que é surpreendente, dado o fato de que havia uma tensão política considerável e também à luz da Embaixada dos EUA em Monróvia (mais de 500 pessoas). Os eventos os pegaram de surpresa. Samuel Doe não era uma figura pública na Libéria antes de 12 de abril de 1980. Isso logo mudou depois dessa data.

O golpe militar foi sangrento, rotulado de "revolução" pelos 18 alistados das Forças Armadas da Libéria, que derrubaram o governo de William R. Tolbert. O presidente de 66 anos foi brutalmente assassinado pelo soldado particular Harrison Pennoh, que mais tarde se mostrou mentalmente instável. Antes do final do mês, todo o gabinete foi julgado e condenado à morte, sem direito a ser defendido por um advogado e sem direito a recorrer ao veredicto.


Dez dias depois, após o golpe, Cecil Dennis (Ministro das Relações Exteriores, a pessoa à direita na primeira foto) e outros doze oficiais do governo foram levados para uma praia, um quarteirão ao sul do quartel do Exército Barclay a oeste da Mansão Executiva, e em seguida foram assassinados na frente da da multidão que estavam gritando de jubilantes cidadãos liberianos indígenas. Foi um cenário de pesadelo.

Cecil Dennis enfrentou a morte muito bravamente, olhando para seus assassinos enquanto aguarda seu destino. Quando ele fez uma oração antes de ser baleado, um soldado gritou alto: “Você mente! Você não conhece a Deus! Depois que a ordem para disparar foi dada, um executor bêbado pode ter alado ele, mas as outras balas falharam completamente, mergulhando no Oceano Atlântico atrás dele. Ele era a única pessoa ainda viva após a primeira saraivada de tiros. Mais dois soldados finalmente se aproximaram e pulverizaram Cecil com uma Uzi e uma pistola a queima-roupa, atingindo-o no rosto, corpo e cabeça, até que ele estava morto. Cada homem foi atingido com 50 ou 60 balas extras pelos soldados bêbados.


Este golpe de Estado marcou o fim do domínio americo-liberiano, que durou desde a independência. A Libéria foi uma colônia iniciada por uma organização privada baseada na América, chamada Sociedade Americana de Colonização. O ACS era um grupo composto de evangélicos e abolicionistas, que achavam que, devido ao racismo contra escravos libertos, os escravos recém-libertados teriam maior liberdade na África. Então eles estabeleceram essa colônia, independentemente do governo dos EUA. Em outras palavras, os americanos brancos temiam o crescente número de escravos libertos e consideravam melhor mandá-los para a África. Os britânicos começaram a fazer o mesmo em Serra Leoa, bem ao lado. Os escravos libertos e seus descendentes ficaram conhecidos como americo-liberianos.

Os americo-liberianos, claro, sabiam pouco sobre a cultura africana que seus ancestrais tinham antes de se tornarem escravizados. Eles tinham educação e conhecimento europeu-americano. Então eles administraram a colônia como uma espécie de pequena América na África. Que ironicamente incluiu escravizar os povos indígenas e suprimi-los. A Libéria foi mesmo expulsa da Liga das Nações por causa da escravidão.

Houve insurgências regulares e tumultos ocorrendo. Quando Doe assumiu e matou Tolbert e seus partidários, isso marcou o fim da regra americo-liberiana. Doe acabou sendo torturado e morto na frente de uma câmera quando o príncipe Johnson e Charles Taylor lançaram uma campanha militar contra ele. Eventualmente, Charles Taylor foi eleito e, em seguida, uma segunda guerra civil começou a se desfazer dele.

             












4 comentários:

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do Blog ou que contenham palavras ofensivas.

Atenção! Comentários relacionados a políticas, perfis com nomes de políticos ou nomes escrotos não serão aceitos.

Tecnologia do Blogger.